Brasilian Music Treasure Hunt
-notes from a search for musical treasure from Brazil -a quest for insight and understanding with a tendency to lapse into compulsive shopping


links open windows




This page is powered by Blogger. Why isn't yours?





Subscribe with Bloglines


contact





home





2001-09-16
JC Online:
Quero ver você no baile
Retire dos pobres, recicle bem reciclado e depois venda aos ricos. De novo, a fórmula será usada na composição da trilha sonora de mais um verão brasileiro, que já está sendo produzida, desta vez sob a alcunha de samba-rock.
Baile para todo mundo dançar junto
Depois do funk, elegante mesmo é o samba-rock, ritmo que já surge resgatando compositores e músicos que andavam desaparecidos
Uma batida de charme, estilo e muito suingue
Se o próximo verão for mesmo conduzido pelo balanço do samba-rock, ele será todo fino, chique, puro charme e estilo. Pelo menos, assim são os três principais lançamentos do gênero, todos pelo selo Regata: É Isso Aí, de Paula Lima, Samba Esporte Fino, de Seu Jorge e Swing & Samba-Rock, do Clube do Balanço.
Trio Mocotó não desconfiava que era o pai do samba-rock
Conjunto que acompanhava Jorge Ben nos anos 70 volta na crista da onda depois de 25 anos e diz que a música que faziam tem mais ligação com o boogie-woogie, improvisações, jazz e blues do que com o rock
Suingue é o mesmo dos anos 70 e que faz a cabeça dos jovens hoje
Embora os vocais em algumas faixas soem datados (até porque foram exaustivamente copiados nos anos 70), o sambalanço do Trio Mocotó continua impecável. O compasso 4/4 que diferencia a música do trio do samba tradicional (em 2/2) é o que o aproxima da sigla samba-rock, que lhes foi impigida. Mas o trio não tem nada de rock, está muito mais próximo do samba-soul de Tim Maia e Ben Jor.

Correio da Bahia:
Percussão calibrada
Percussionista de Marisa Monte mistura reciclagem, preocupação social e artes plásticas em projeto de reaproveitamento de pneus

A Tarde:
Livros filmados
Aproveitando um intervalo nas filmagens de um documentário que realiza sobre a figura e a obra do sambista Zé Kéti, com quem trabalhou no seu primeiro longa-metragem, Rio 40 Graus (1955), o cineasta Nelson Pereira dos Santos chega a Salvador para participar da XXVIII Jornada de Cinema da Bahia.